Notícia: Quedas do Iguaçu: CRF-PR discute Campanha Sinal Vermelho com instituições

Publicado em 11/09/2020

Quedas do Iguaçu: CRF-PR discute Campanha Sinal Vermelho com instituições


Quedas do Iguaçu: CRF-PR discute Campanha Sinal Vermelho com instituições

Na última sexta-feira, dia 04, a presidente do CRF-PR, Dra. Mirian Ramos Fiorentin, esteve em Quedas do Iguaçu (PR) para participar de uma reunião com a promotora substituta, Dra. Bruna Britto Martins, sobre a Campanha Sinal Vermelho. Também participaram do encontro a farmacêutica, Dra. Claucia Aparecida Guareski, e a presidente do Rotary Club de Quedas do Iguaçu, Maria Cristina Chiossi Ferreira. Entre os assuntos, foram discutidas as ações que vêm sendo realizadas na cidade para fortalecer a campanha e formas de unir instituições neste combate.

“Essa é uma causa fundamental na qual todos temos que trabalhar juntos. O comprometimento e empenho dos farmacêuticos estão sendo essenciais para que a campanha dê certo. As farmácias são pontos de acolhimento, por serem espaços em que as pessoas confiam”, afirmou a presidente do CRF-PR, Dra. Mirian Ramos Fiorentin.

Dra. Bruna reforçou as leis e iniciativas que contribuem para a proteção da mulher em casos de violência. “Para nortear as políticas públicas que buscam coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, a Lei nº 11.340/2006 prevê como diretrizes a realização de campanhas educativas de prevenção da violência doméstica e familiar contra a mulher, bem como a difusão da lei e dos instrumentos de proteção das vítimas”. Ela ressaltou que a Campanha Sinal Vermelho desempenha um papel fundamental para a conscientização das pessoas e para a proteção e acolhimento das vítimas. “Especialmente no período de isolamento social, no qual houve aumento significativo das ocorrências de violência doméstica e familiar contra a mulher. A alta adesão das farmácias de Quedas do Iguaçu à Campanha é extremamente positiva, pois demonstra que a sociedade não tolera a violência de gênero”, destacou.

A cidade de Quedas do Iguaçu, que tem 34.409 habitantes, de acordo com a estimativa do IBGE (2020), realizou um forte movimento de divulgação da Campanha Sinal Vermelho, segundo a farmacêutica Claucia Guareski. “Firmamos nossa parceria com o CRF-PR, Conselho da Mulher, Poder Judiciário e Rotary Club. Faremos um trabalho não só para inibir a violência contra a mulher, mas trabalharemos a prevenção da violência, criando uma grande rede de proteção”.

A presidente do Rotary Club de Quedas do Iguaçu, Maria Cristina Chiossi Ferreira, que também é integrante do Conselho da Mulher do município, ressaltou que a cidade já cadastrou todas as farmácias da cidade na campanha. “A Campanha Sinal Vermelho é de suma importância em nossa comunidade onde aumentaram os casos de assédios em função da pandemia. Todas as farmácias adeririam e o Rotary Club de Quedas do Iguaçu está sendo parceiro com muito orgulho nessa divulgação”.

Durante a visita na cidade, a presidente do CRF-PR visitou algumas farmácias da região, agradecendo a participação na campanha e prestigiando os profissionais.

Quedas do Iguaçu e Espigão Alto do Iguaçu: 100% de adesão das farmácias na Campanha Sinal Vermelho

Durante o mês de agosto, todas as farmácias de Quedas do Iguaçu e Espigão Alto do Iguaçu assinaram o termo de adesão à Campanha Sinal Vermelho. A ação foi possível graças ao apoio do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Quedas do Iguaçu e do Rotary, que por meio de voluntárias se prontificaram a visitar todos os estabelecimentos com o termo de adesão.

A iniciativa foi um pedido da Exma. Juíza Amanda Vaz Cortesi Von Bahten, a qual é responsável pela Comarca e uma grande entusiasta dos projetos em defesa da mulher vítima de violência doméstica. Segundo a juíza, “a Campanha é uma ferramenta essencial para a defesa das mulheres vítimas de violência doméstica, a qual deve ser uma prioridade, ainda mais em tempos do necessário isolamento social, que infelizmente acaba por agravar o problema”. Ela ressaltou que as farmácias são estabelecimentos que fazem parte indissociável da Campanha, tendo em vista sua própria natureza: via de regra, funcionam mesmo em horários em que o comércio em geral está fechado, já são parte do cotidiano das pessoas e possuem profissionais bem treinados.